Ninguém faz nada sozinho. CERTO

Santo de casa não faz milagre. ERRADO

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAH

Pelo menos aqui em casa os santos caseiros estão funcionando.
Como eu tinha falado no último post marcamos uma reunião para ontem de noite.
Confesso que estava meio preocupado com a máxima “santo de casa não faz milagre” e achei que talvez a reunião acabasse sem nenhum caminho, nenhuma adesão, nenhum interesse.

Mas não foi bem isso que aconteceu. A Reunião durou mais tempo do que eu previa (ficamos mais de 2 horas conversando sobre hortas e composteiras e lixos e etc…)

– Os presentes –

– minha mãe –
Dona Alda. Conhecedora do tema de forma empírica. Através de observações dos afazeres de meu avô quando ela era criança. Coordena as ações na cozinha da casa – mesmo quando outras pessoas cozinham – e grande incentivadora de novas idéias.

– meu padrasto –
Daniel (vulgo Lineu ahahhaha). Fiscal da Secretária da Agricultura do Estado. Tem grande conhecimento de árvores e plantas ornamentais – desde seu projeto de catalogação de árvores junto ao Prof Hermes Moreira de Souza em Campinas. Também tem conhecimento empírico desde seu cultivo de Horta nos anos setenta em Campo Grande – MS

– minha vó – (nos intervalos da novela, mas ok) – Dona Alzira, conhecedora de plantas por método empírico. Já cultivou uma horta urbana na casa dos meus tios e está ansiosa pela experiência em um apartamento.

A conversa começou com algumas perguntas.

Porque fazer uma horta caseira?Porque é uma boa você comer verduras e legumes que não passaram por tratamentos com pesticidas e afins.Porque é uma ótima dar um novo destino a parte de seu lixo orgânico, que não os lixões.
Porque é bom cuidar de plantas para evitar stress, criar disciplina e cultura de cooperação!

Onde fazer essa horta??
>>>Dois locais foram logo lembrados – 1# área de serviço e 2#varandas (lembrando que estamos no 16º andar)

Quem cuidaria dessa horta???
>>>Nesse momento cada um colocou na mesa seus afazeres diários e bolou dentro de sua rotina um momento para cuidar da operação da Horta e da Composteira. Enfim, todos buscaram assumir papéis (mais a frente coloco a distribuição)

Com essas três perguntas encaminhadas começamos a pensar e falar o que cada um conhecia de compostagem e cultivo.
Minha avó conhecia bem o assunto pois quando morou com minha tia essa tinha uma horta na casa e minha vó era a responsável pela manutenção. Também meu padrasto com seu conhecimento dos anos em Campo Grande – MS onde “ou você tinha uma horta em casa ou tinha que andar 50km para ter um alface” contribuiu com bastante conhecimento.

Alguns assuntos foram levantados como : TEMPO DE COMPOSTAGEM, TEMPO DE CONSUMO DE PRODUTOS DA HORTA, PLANTIO PROGRAMADO (para não gerar é

pocas de escassez esuper-produção), CULTURAS MAIS VIÁVEIS, TEMPO EM QUE SE PODE COLHER CADA CULTURA…

Enfim. Chegamos a uma conclusão. Se queríamos ter uma Horta que fechasse o ciclo do lixo orgânico doméstico teríamos que…

Primeiro passo deveria ser separar o lixo orgânico.
ORGÂNICO ANIMAL <> ORGÂNICO VEGETAL

Segundo passo criar a composteira e usar o lixo ORGÂNICO VEGETAL. Fazer um ciclo completo de compostagem observando os pontos críticos, criar um POP (procedimento Operacional Padrão) para diminuir possíveis falhas

Terceiro passo criar a Horta.

Quarto passo consumir mais os produtos da Horta. Principalmente meu irmão que não é muito afim de vegetais e legumes.

Com os passos marcados era hora de pensar o dia seguinte.
Eu fiquei responsável de criar o espaço para a composteira.
Minha mãe responsável pela criação do novo lixo só para vegetais.Meu padrasto responsável pela busca de mais informações na Secretaria de Agricultura.Vovó responsável pelo incentivo e fiscalização dos afazeres – observadora dos pontos críticos.Meu irmão ainda não participou do processo, mas em breve entrará com algum papel (aguardem)

Até amanhã!!!!! Voltarei com o relato das ações.

Anúncios